COMPARTILHAR

Ídolo do Palmeiras, Evair foi mero espectador do primeiro jogo das finais da Copa do Brasil, contra o Santos. Bem longe da Vila Belmiro, palco do confronto, o ex-centroavante confraternizou com cerca de 150 torcedores alviverdes no Shopping Bourbon, ao lado do Allianz Parque, e viu a partida em uma tela de cinema. Cinéfilo confesso, citou o longa “Jogos Vorazes” para opinar sobre qual a postura esperada do elenco palestrino no confronto de volta, marcado para a próxima quarta, em casa, às 22h.

“Tem que encarar assim (como um jogo voraz), com seriedade. Tem condição de ser bacana para o palmeirense”, disse, fazendo referência ao filme baseado na obra da norte-americana Suzanne Collins, no qual jovens lutam pela sobrevivência em uma metrópole futurista e autoritária. No filme, apenas um pode sobreviver. Basta trocar “sobrevivência” por título o apelo que fez o ex-centroavante.

Evair conversou com a imprensa no evento, organizado pela Palmeiras Tour, e profetizou, com consistência, o que aconteceria na sequência: uma ótima partida do goleiro Fernando Prass, segurando o “ligeiro favoritismo” alvinegro em seus domínios na Baixada Santista. Afinal, o camisa 1 do Verdão evitou uma derrota com placar mais elástico do que o modesto 1 a 0 aplicado pelo Santos.

“O Fernando tem que ser o nome do jogo hoje, tem que segurar para deixar que o Palmeiras chegue ao dia 2 em condições de brigar de igual para igual pelo título no Allianz Parque. Não podemos chegar precisando demais reverter o placar”, disse o centroavante.

Vale lembrar que no filme apontado por Evair como inspiração para as finais, a heroína Katniss sobrevive não a apenas uma edição dos “Jogos Vorazes”, mas a duas idas a arena e a uma guerra civil contra o governo autoritária. Palmeiras já passou por uma batalha, falta uma vitória dentro da nossa casa para vencermos definitivamente a guerra.