COMPARTILHAR

A Sociedade Esportiva Palmeiras também “entrará em campo” nos Jogos Pan-Americanos de 2015, em Toronto, no Canadá. Com tradição e diversas medalhas conquistadas por atletas do clube na história dos Jogos, caberá à mesatenista Gui Lin e à arqueira Sarah Nikitin a honra de representar os palestrinos, além de toda a nação brasileira, nesta edição. A competição reúne os principais esportistas do continente e terá sua cerimônia de abertura nesta sexta-feira (10).

IMG_4796

Para Sarah Nikitin, essa emoção não será novidade. Principal esperança de medalha do Brasil no tiro com arco feminino, a arqueira vai para sua terceira participação no Pan – ela disputou o Pan do Rio de Janeiro, em 2007, e de Guadalajara, em 2011, mesmo ano em que chegou ao Palmeiras. O torneio servirá como mais um teste antes dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio, e do Campeonato Mundial da modalidade, na Dinamarca, entre julho e agosto deste ano.

“Eu me sinto sempre honrada em representar o Brasil. Estar em um evento como esse é um momento muito especial na vida de um atleta e sou muito grata por já estar na minha terceira participação nos Jogos Pan-Americanos”, disse Sarah, concentrada com a Seleção Brasileira no Centro de Desenvolvimento do Vôlei, em Saquarema (RJ), ao longo das últimas três semanas.

No tênis de mesa, o histórico do Palmeiras nos Jogos Pan-Americanos é ainda mais antigo. O palestrino Hugo Hoyama, um dos maiores medalhistas do Brasil na competição, terá em Toronto sua principal competição como técnico da Seleção Feminina até aqui. A expectativa sobre Gui Lin, que também é atleta de Hugo na equipe do Palmeiras/São Bernardo, é boa, segundo o comandante. Atualmente, ela é a brasileira melhor colocada no ranking mundial.

“Como atleta meu objetivo era conquistar medalhas, resultados. Agora é igual. Como técnico, espero ajudar as meninas a alcançarem esse objetivo. Vai ser diferente somente porque são elas que vão jogar, eu não vou empunhar a raquete. A Gui Lin fez uma preparação muito boa, estamos confiantes. Meu papel é de ajudá-la a ficar mais tranquila e focada para jogar o que vem treinando. Falei que se todas elas se jogarem como nos treinos, a chance de alcançamos nossos objetivos é grande. Depende delas”, disse Hugo Hoyama, ao Site Oficial do Palmeiras.

Apesar de ainda não ter disputado o Pan-Americano pelo Brasil, a chinesa naturalizada brasileira do Verdão já tem uma Olimpíada no currículo: a de 2012, em Londres. Experiência no Pan, entretanto, é o que não falta a Hugo Hoyama. Desde o Pan de 1995, em Mar del Plata, nunca o Brasil terminou sem ao menos uma medalha de Hugo Hoyama – foram dez de ouro, uma de prata e quatro de bronze no período, com total de 15 em oito participações. Algumas delas com a “ajuda” da famosa cueca da sorte do Palmeiras, que fez sucesso nos últimos Pans.

“Todo mundo sabe que sou palmeirense. Fico muito feliz de representar não só o Brasil, mas mostrar que um palmeirense está representando o país. Fui homenageado várias vezes pelo clube e isso é legal, reconhecimento do trabalho de um cara que além de vestir a camisa do Brasil veste a do Palmeiras. Quando vou para essas viagens, sempre levo algumas coisas do clube, principalmente a camisa. Em 2007 e 2011, muita gente soube a história da cueca que eu usava nos jogos. Não era supersticioso, a verdade é que eu queria ter algo do Palmeiras junto comigo. Deu certo e consegui os resultados. Neste ano não vai ter a cueca, mas pelo menos uma camisa na mala eu vou colocar. Vamos ver na hora”, completou o mesatenista.